FONTES DE VIDA

COMO PRESERVAR UMA NASCENTE?

Nascente ou olho-d'água é o local onde o lençol freático aflora, sendo portanto o berço dos rios e dos cursos d'água e de onde vem a água que bebemos. Aí já fica claro a extrema necessidade de preservar as nascentes, que são inclusive protegidas por lei. Segundo o Código Florestal Brasileiro, em sua Lei 4.771, artigo segundo, alínea C, "são considerados de preservação permanente as florestas e demais formas de vegetação natural situada nas nascentes, ainda que intermitentes, e nos chamados olhos-d'água, qualquer que seja sua situação topográfica num raio de 50 metros de largura".
Porém, não basta somente a proteção das chamadas matas ciliares para garantir a qualidade e a quantidade de uma nascente. A água é captada em todo o terreno ao redor e portanto é necessário um trabalho de conservação do solo que evite ou minimize os efeitos da erosão e que impeça o assoreamento e o carregamento de agrotóxicos ou outros dejetos para o lugar de onde a água vem à tona e para os rios e riachos. É necessário analisar caso a caso para avaliar a situação de uma nascente e quais são os procedimentos corretos para sua conservação. De modo geral, pode-se dizer que uma das maneiras de proteger a nascente é recompondo a vegetação nativa em seu entorno, ou seja, fazendo reflorestamento. Nessa recomposição, deverá ser utilizado o maior número possível de espécies naturais da região. Caso nada seja feito, mas o local da nascente deixado em pousio, longe do gado e de outros animais domésticos, a regeneração virá naturalmente, desde que haja uma fonte de dispersão de sementes (floresta ou resquício de florestas) nas proximidades.

* Extraído da Revista Globo Rural
Resposta baseada em consulta a Avílio Antonio Franco, pesquisador da Embrapa Agrobiologia.

Rua Engº Dolabela, 129 - Bairro Jaraguá - São Paulo - SP - Cep: 02994-020
Fone/Fax: (11) 3941.9357 - Cel: (11) 97298.0280 / (11) 96660.3853 - E-mail: contato@jcperf.com.br
CNPJ: 15.353.886/0001-24 - IE: 145.169.992.117